1 de mai de 2016

Contemplem o Filho Malvado!


Lucifer é uma série de tv da Fox, que causou grande polêmica em seu lançamento, devido ao teor religioso que a série aborda e teve sua primeira temporada no ultimo domingo, 24/04/16 e já está confirmada a 2ª temporada, o que deixou os fãs da série muito contentes. Mas você ainda não viu a série e nem ao menos sabe do que se trata? Então está perdendo uma ótima série e deixarei aqui minha humilde opinião sobre essa série boa pra diabo:

O NÚMERO DA BESTA

Primeiramente falando de sua origem (não aquela encontrada na bíblia), Lucifer Morningstar é um personagem de histórias em quadrinhos da Editora Vertigo (uma divisão da DC Comics) que após aparecer em histórias isoladas, ganhou fama após sua participação nas histórias do Senhor dos Sonhos, Sandman, criado por Neil Gaiman. Após Sandman, Lucifer ficou tão popular que ganhou sua própria série de quadrinhos, e foi dessa participação e de suas aventuras solo que tiraram a inspiração para a série.

TODO O INFERNO ESTÁ FUGINDO

Apesar de algumas diferenças dos quadrinhos, a série de tv da Fox mantém o enredo básico do personagem, assim como alguns personagens. Na trama, Lúcifer, o Senhor do Inferno, o Cramunhão, o Mochila de Criança, o Pai da Mentira, aquele que tem muitos nomes, se cansa de reinar no Inferno e o abandona, vindo viver na nossa tão amada terra, onde abre um bar chamado LUX (Luz, em latim), onde toca piano. Eu não cheguei a ler as aventuras solo do personagem ainda (pretendo fazer isso antes da segunda temporada estrear), mas sei que há algumas diferenças, das quais eu falarei mais à frente sobre as que conheço pelo que li em Sandman, mas esperava que a série abordasse mais temas sobrenaturais e misticismo, mas a série se trata de uma série policial, o que não sei dizer se condiz com o que acontece nas histórias solo do personagem nos quadrinhos.



AUTO-ESTRADA PARA O INFERNO

A trama começa quando Lúcifer Morningstar (Tom Ellis) é envolvido no assassinato de uma famosa atriz que fizera um pacto com ele anos atrás, e por quem ele tinha certa afeição, então ele decide fazer de tudo para punir o culpado, pois a série nos deixa claro a todo momento que punir pecadores é a função de Lúcifer, e devido a isso (e por estar diretamente envolvido no crime, como vítima), conhece a detetive Chloe Decker (Lauren German), com quem ele passa a trabalhar junto para conseguir achar o assassino da atriz. Lúcifer possui a habilidade de fazer as pessoas confessarem seus maiores desejos, mesmo os mais sórdidos e vergonhosos, e devido a esse dom de fazer as pessoas falarem, Lúcifer acaba se metendo em todos os casos da detetive, e ele se torna de certa forma uma espécie de parceiro honorário dela. Existe na série todo um misticismo sobrenatural envolvendo o personagem, como por exemplo o anjo Amenadiel (David Bryan "D.B." Woodside), que foi incumbido de fazer seu irmão voltar ao Inferno cumprir seu trabalho, chegando a tomar medidas extremas para cumprir sua missão. A parte sobrenatural existe, mas é meio que pano de fundo e a trama dá mais importância no desenvolvimento dos personagens, surgindo apenas como ferramenta em alguns episódios, mas conforme a série se desenrola, percebemos cada vez mais que elementos do sobrenatural estão cada vez mais sendo implantados, e a série termina de tal forma que dos dá a entender que isso será muito mais explorado daqui pra frente.


O DIABO SOU EU

Grande parte da diversão da série está no personagem principal, Lúcifer Morningstar, e em sua personalidade única. Ele é o Diabo em pessoa, então, nada mais natural do que ele ser a encarnação dos pecados e a série deixa isso muito claro, pois ele transborda muitos deles. Lúcifer é egoísta ao extremo, tudo o que ele faz, de bom ou de mal, é unicamente movido para satisfazer seu próprio ego. Ego esse que é alimentado por sua vaidade, e além de narcisista, ele tem a capacidade de encantar quase qualquer mulher, fazendo-as ficarem loucas por ele depois de uma breve conversa e espalha sua luxúria por onde passa. Ele é invulnerável e à prova de balas, um imortal sedento por punir os pecadores, ficando desapontado quando algum pecador em potencial não é o verdadeiro culpado. A arrogância e prepotência do personagem são responsáveis pelos momentos mais descontraídos, sendo muito engraçado ver a reação das pessoas com o choque de realidades das pessoas comuns com alguém tão excêntrico como ele. No começo, eu não gostei muito pois parecia que eles estavam meio que humanizando Lúcifer, porque você pensa "Por que o Diabo faria isso?", mas conforme os episódios se passam, você percebe que não foi um furo no roteiro, e que aquelas coisas estranhas que você viu o personagem fazer, quando normalmente não deveria, fazem parte da trama e tem uma explicação, eu achei isso muito legal, mas que pode ser arriscado, pois pode ter quem não goste do que viu e desista de continuar acompanhando a série antes de saber e entender do que se trata.

O INFERNO DE DANTE

Algumas diferenças na história dos quadrinhos e da série são notórias, enquanto outras nem tanto. Algumas pessoas podem encrencar com um ou outra, mas a verdade é que nenhuma delas impedem a série de ter o seu potencial e nos proporcionar diversão e nos entreter. Segue agora algumas das diferenças conhecidas por mim, embora possam ter mais que passaram despercebidas:

Lúcifer Morningstar

A Mudança mais óbvia para quem leu qualquer das aparições do personagem nas paginas dos quadrinhos, está na sua aparência, mais precisamente em seus cabelos. Nos quadrinhos, Lúcifer possui cabelos loiros, como na maioria das representações celestiais do Anjo Caído. Já na Série, Lúcifer mantém os cabelos negros naturais do ator que lhe encarna. Apesar de não ser uma mudança tããããão radical, confesso que meio que descaracterizou o personagem, esteticamente falando, embora o ator faça um ótimo trabalho e nos faça rapidamente esquecer esse mero detalhe.

Os Perpétuos

A saída de Lúcifer do Inferno está intimamente ligada ao Sonho dos Perpétuos em Sandman. Lá, Lúcifer, que guardava um certo rancor pelo Oniromante pelo mesmo ter desafiado sua autoridade no Inferno e ter saído impune, expulsa todos os demônios e almas que habitavam o Inferno e tranca suas portas, dando a chave do Inferno para o Rei dos Sonhos, sabendo que isso faria com que algo ruim aconteceria ao Perpétuo, pois muitas entidades viriam atrás daquela chave. Grande parte da minha motivação em ver a série veio da esperança de ver algum dos Perpétuos aparecer na série, mas, como está escrito nos Portões do Inferno: Abandone toda Esperança aquele que entrar aqui, e logo após alguns episódios já dá pra perceber que a série não terá nenhuma ligação com os Perpétuos, pois há menções à decisão do personagem que deveria ser envolvida com o Sonho, mas outra explicação é dada, e mais uma prova podemos ver em outra personagem: Mazikeen.






Mazikeen

Mazikeen, ou Maze (Lesley-Ann Brandt) é em ambas as ambientações, uma demonia apaixonada por Lúcifer, servindo de sua fiel escudeira, guarda-costas, e bar tender em seu bar. Porém, nos quadrinhos, Maze usa uma mascara do lado esquerdo de seu rosto, que é grotescamente desfigurado. Em dada parte, quando Delírio dos Perpétuos procura um de seus irmãos, ela se desentende com Maze, e Delírio diz que se ela a irritasse novamente, ela a transformaria desde o início da existência em uma criatura bizarra com metade do rosto desfigurado, fazendo-a ter que esconder sua deformidade com uma máscara, e então Maze fica irritada com Delírio mas nada faz e é aí que entendemos que na verdade ela irritou Delírio, que cumpriu sua ameaça, porquê desde que conhecemos Maze ela é deformada e usa a mascara para esconder seu rosto deformado. Cara, é quando você lê esse tipo de coisa em Sandman que você se dá conta da genialidade de Neil Gaiman. Já na série, Maze ostenta um rosto bonitinho e perfeito com ar de bad girl e aí nós entendemos que Delírio não aparecerá, assim como os demais Perpétuos, que provavelmente não terão nenhuma ligação com a história da série, o que é uma pena.



Apesar de não abordar exatamente os temas que eu esperava e das mudanças da origem dos quadrinhos, Lucifer é uma boa série, cheia de reviravoltas e intrigas entre personagens, com a trama sempre se aprofundando em intrigas entre personagens e caminhando cada vez mais para um plano maior e eu estou muito empolgado com a segunda temporada, que parece que vai abordar mais o lado místico da coisa. E você? Não viu ainda? Não perca tempo e confira essa série que é diversão garantida! Agora venha aqui e vamos conversar um pouco, começando pelos seus desejos mais secretos...

Nos vemos na próxima Missão! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário